terça-feira, 5 de julho de 2011

Dramatização

Os jogos musicais que trabalhei com alunos de 1º ao 5º ano
por si só já constituiam uma dramatização muito simples:
mímicas, pantomimas...
Então, passei somente às mímicas e pantomimas.
As crianças receberam papeizinhos com as seguintes ações:
1º ano (apenas falei a ação e aqui usou-se o som)
2º ano (muitos leram a ação)

- um bebê chorando
- um gato miando
- um cachorro latindo
- um bebê engatinhando
- uma criança bebendo água num copo
- uma criança bebendo água numa garrafa e com canudinho
- uma criança desenhando
- uma criança brincando com carrinho
- uma criança brincando com boneca
- uma criança pedindo colo
- uma criança varrendo
- uma criança jogando bola
- uma criança tomando banho
- uma criança escovando os dentes
- uma criança escovando os cabelos
- uma criança andando de bicicleta

E você pode criar mais ações!

3º anos (em dupla e/ou trios)
- almoçar
- limpar a cozinha
- arrumar um dente (no dentista)
- imitar um gato e um cachorro
- jogar voleibol
- jogar tênis de mesa
- brincar de casinha
- brincar de escolinha 
- estudar com amigos
- passear num zoológico
- levar uma bronca (aqui é muito engraçado, pois podemos estar sendo representados)
- implorar ajuda a alguém
- rezar
 e eles foram sugerindo outras ações.

4º e 5º anos (em grupos)

Dramatização de cenas, primeiro sem som e segundo com som.
- cena de sala de aula
- cena de almoço em família
- cena de missa e/ou culto
- cena de casamento
´- cena de compra num açougue
- cena na fila do mercado e que não anda
- cena de compra numa loja
- cena de compra numa loja em que só tem tamanhos pequenos e
você está pedindo tamanho grande
- cena de corte de cabelo em que o cabeleireiro errou
- cena de manicure e pedicure
- cena de alguém morrendo
- cena de um bebê que não para de chorar: o que fazer?
-  cena da troca de fralda de um bebê
- cena de ônibus lotado
- cena de um assalto a mão armada a uma velhinha
 e aqui também eles foram sugerindo outras cenas.

Show!!! A criançada está de parabéns,
e claro, caro colega, nem sempre foi um mar de rosas. muitas vezes foi preciso parar e recomeçar.
Outras foi não trabalhar mais mesmo!!!!!

As idéias foram retiradas da minha memória de infância e da
observação das crianças brincando.