domingo, 22 de agosto de 2010

Folclore Gaúcho 3

Crendices extraídas do livro Folclore: similaridade nos países do Mercosul
Paula Simon Ribeiro - Martins Livreiro - 2002

 Crendices gerais

• Comer frutas com grãos no Ano Novo (uva, romã, etc) para ter sorte e fortuna durante o ano todo que está começando
• Ferradura atrás da porta afasta o mau olhado
• Sal no fogo afasta visitas
• Varrer os rastros de uma pessoa afasta-a para sempre
• Derramar açúcar traz sorte
• Quando o grilo canta dentro de casa é sinal que se receberá dinheiro

 Crendices e superstições ligadas a namoro, noivado e casamento

• A jovem que pega o buquê da noiva será a próxima a casar
• Varrer os pés de moça solteira, não casa naquela ano
• Moça que abre sombrinha dentro de casa fica "para titia"
• Quando a fumaça do cigarro forma um círculo é por que a pessoa amada está pensando na outra

Ligadas à gravidez, ao nascimento ou recém-nascido

• Não deve pular cerca, senão a criança nascerá aleijada
• Quando a grávida tem desejo e não é atendida, a criança nasce de boca aberta ou fica "babão", e quem não atende fica com terçol
• Criança que ri dormindo está sonhando com os anjinhos
• Para passar soluço do nenê, deve-se colocar na testa do mesmo um fiapo de lã, de preferência vermelho; colar com a saliva da mãe

Superstições gerais

• Xícara virada com a boca para baixo atrasa a vida
• Chinelo ou sapato virado provoca a morte da mãe
• Enrolar as meias enrola a vida
• Espelho quebrado dá sete anos seguidos de azar
• Varrer a casa à noite atrai desgraças
• Apontar para as estrelas faz nascer verrugas nos dedos da mão

 A Lua

• A grande maioria de nossas crendices herdamos de Portugal, onde o povo - apesar de religioso - acredita em muitas coisas que a lógica ou a racionalidade não explicam. No meio rural é crença generalizada que a lua tem influência direta em toda a atividade humana, especialmente na lavoura, na pecuária, no clima, nas chuvas e até mesmo na vida do homem. Para quem lida com plantações, as fases da lua devem ser cuidadosamente observadas. Exemplos:
• Legumes de cabeça (repolho, alface e outros) devem ser transplantados na minguante e as folhosas (couve, radiche, espinafre, etc) na nova.
• Quem cria aves deve cuidar para que o nascimento dos pingos não ocorra na minguante. Se forem colocados no "choco" na minguante, os ovos "goram" e perde-se a ninhada. A influência da lua e das tempestades é neutralizada por um prego enferrujado ou pedaços de carvão colocados no ninho.
• Para o cabelo crescer rapidamente deve ser cortado na nova, crêem alguns, outros acreditam que na nascente. É consenso que quem tem muito cabelo e não quer que cresça logo, deve corta na minguante.
• Não se deve deixar as fraldas do recém-nascido no varal à luz do luar, pois este terá cólicas. Se isto acontecer, a mãe com o filho nos braços o mostra para a lua e reza esta oração "Lua, luar, me deste este filho e me ajuda a criar".

Nota do Cohen: Este livro é uma excelente fonte de folclore. Além de outras várias crendices associadas com chuva, pássaros, etc, ainda possui seções sobre lendas, mitos, linguagem popular, morte na visão popular.